sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Higiene bucal berçarios

video

SEQÜÊNCIA DIDÁTICA: ESCOVAÇÃO NO BI


Professoras: Francilene Pereira de Lima
Márcia Aloisia Ribeiro Cavallari

Processo: Durante o ano todo

Turma: BI - 2008

Objetivos:

  • Proporcionar experiências de aprendizagens em relação à higiene bucal

O que as crianças podem aprender

  • Perceber a boca, língua e, posteriormente, os dentes;

  • dentificar os pertences pessoais.


Recursos:

  • Dedal de silicone para os que ainda não tem dente ou apenas dois dentes;

  • Escova de dente própria para essa idade;

  • Toalhinhas de mão individuais;

  • “ Nécessaire.”


Seqüência Didática




  • Na reunião de pais e mestres explicar como se dará o processo;

  • Apoiar a criança nos braços, em cima do trocador e fazer a higiene bucal com gazes molhadas quando não consta formação dentária, limpando suavemente a gengiva e a língua após as mamadas. Nomear as ações e aproveitar esse momento para estreitar os vínculos afetivos.



  • Com o aparecimento dos primeiros dentes o procedimento de uso das gazes deverá ser substituído por dedal de silicone com cerdas (tipo de escova própria para essa faixa etária).

  • Ainda sendo apoiada pelo educador, molhar o dedal apenas com água e massagear os dentes e gengivas suavemente. Secar a boca da criança e também o dedal após enxaguá-lo.



  • Continuar nomeando as ações e identificar nomeando os seus objetos pessoais.

  • Quando a criança já fica sentada sem apoio e com quatro dentinhos ou mais, substituir o dedal de silicone por escova própria para faixa etária. Nesse momento o educador é quem faz o procedimento de higiene, conversando com a criança sobre o que está fazendo, c
  • onseqüentemente aproveitando para lhe mostrar a escova, a toalhinha e a “necesserie”


  • Após, lavar a escova, enxugá-la e “convidar” a criança a guardar tudo na “necesserie”.

  • O educador continua realizando a higiene. Contudo, passa a estimular a criança a manusear e explorar a escova, orientando quanto ao uso.

DICAS

  • Massagear a gengiva, auxiliando-a na erupção dos futuros dentes;

  • Familiarizar a criança quanto ao uso de escova e toalha de mão individual;

  • Sensibilizar a família quanto à importância da higiene bucal desde os primeiros anos de vida.

  • Iniciar essa atividade somente quando a criança já estiver adaptada ao CEI.

COMENTÁRIOS:

Devemos confessar que, a princípio, o impasse surgiu entre-nos duas: uma acreditando que era possível, devido à experiência no ano anterior no BII e a outra que pensava que ainda não era o momento, devido o inicio do ano letivo. Porém, após o período de adaptação das crianças, conseguimos entrar em um consenso.
Durante este período, observamos que as crianças apresentavam odores, sobras de leite e alimentos na boca. Isto nos levou a iniciar a higiene bucal.
Conversando com as famílias na hora da saída, percebemos que algumas não acreditavam na importância da higienização nessa faixa etária, entretanto, enviaram os itens solicitados.
Hoje, ficamos encantadas ao olharmos para as crianças e vê-las tentando escovar os seus dentes, guardar seus pertences e observamos que elas estão assimilando gradativamente o processo.
Esperamos que, com esse depoimento, mais educadores compartilhem da nossa proposta, pois nada muda se cada um não mudar e que quando se acredita no que se faz, as soluções vão surgindo e mostrando que o impossível é possível.






SEQÜÊNCIA DIDÁTICA - ESCOVAÇÃO DE DENTE





Professora: Francilene Pereira de LimaDuração: Durante o ano todo



Turma: BII - 2007

Objetivos:




  • Experiências de aprendizagem de higiene bucal e identidade

O que as crianças podem aprender:

  • Perceber a boca, os dentes e a língua;
  • Criar hábito de higiene bucal;
  • Organização e reconhecimento dos pertences


Seqüência Didática:

  • Na reunião de pais e mestres explicar como se dará o processo;
  • Na sala convidar as crianças ficar alinhado na frente do espelho para reconhecer a sua boca, dentes e língua, preferencialmente em grupos menores;

  • Roda de apresentação do kit “necesserie”

  • No momento de lavar as mãos e a boca após as refeições a educadora deverá convidar as crianças para vê-la escovar os dentes.
  • No segundo momento ela ficará atrás da criança orientando e auxiliando a escovação, sempre de frente ao espelho e a educador servindo como modelo.



  • Na aprendizagem do bochecho a educadora devera orientar e auxiliar criança, sempre servindo como modelo, utilizando a caneca para tal.

    Recursos:
  • Necesserie”

  • Escova de dente;

  • Toalha pequena;
  • Caneca

    Possíveis desdobramentos:
  • Narração de história;

  • Jogo simbólico: Ex:. Ser dentista, escovar os dentes da boneca

  • Exibição do filme: Dr Dentuço: A lenda do reino dos dentes;

  • Brincar de mímica e careta na frente do espelho.

Dicas:


  • No momento do convite de reconhecer a boca, os dentes e a língua é possível que algumas crianças se recusem, quanto mais lúdica for está situação maior será a aceitação da própria imagem;

  • Quando inicia a escovação de dentes é necessária uma organização dos educadores no sentido de proporcionar às demais atividades como manuseio de livros, cantar, ou brinquedos para que não haja um congestionamento no banheiro.

  • Não utilizar a escova de dente como material para atividades de pintura, pois a criança não consegue distinguir a função da mesma para atividades diferentes.

COMENTÁRIOS:


Eu e a professora Marly percebemos que as crianças tinham mau hálito.
Compartilhamos com as professoras Maria José e Tânia, que colaboraram para que a escovação acontecesse no período da manhã.
Foi uma experiência tão rica que a instituição incorporou-a para este ano, contemplando todas as crianças.Fico feliz e grata por compartilhar desta iniciativa com as demais educadoras, que reconheceram essa prática como possível, viável e muito importante, contribuindo com inúmeras possibilidades de experiências de aprendizagens

BIBLIOGRAFIA:

  1. MARIA CLOTHILDE ROSSETTI FERREIRA (ORG) et. Os Fazeres na Educação Infantil /. 5 ed. – São Paulo: Cortez, 2002

  2. SANTOS, LANA ERMELINDA DA SILVA (ORG). Creche e Pré-escola: Uma abordagem da saúde.– São Paulo: Artes Medicas, 2004

  3. ZABALZA, MIGUEL A. Qualidade em Educação Infantil/ Miguel A. Zabalza; Tradução Beatriz Affonso Neves. – Porto Alegre: Artmed, 1998.

  4. Brasil. Ministério da Educação e do Desporto. Secretária de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil/ Ministério da Educação e do Desporto. Secretária de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1998. 3v.: ilVolume 1: Introdução ; Volume 2: Formação Pessoal e social

  5. OLIVEIRA-FORMOSINHO, J., KISHIMOTO, T., PINAZZA, M. (Orgs.) (2007). Pedagogia(s) da Infância: Dialogando com o passado construindo o futuro. São Paulo: Artemed, 2007.

  6. OLIVEIRA FORMOSINHO J e KISHIMOTO T. M. (org.) Formação em Contexto uma estratégia de integração. São Paulo: Thomson, 2002.

  7. JUDIT FALK (org). Educar os três primeiros anos: a experiência de Lóczy. Araraquara: JM editora, 2004

Um comentário:

Pandora disse...

Poxa! Que experiencia interessante!!! Gostei muito, vou usar o seu trabalho como referencia no que ando fazendo por aqui junto com uma amiga minha!